21 2532-3413

Blog / Notícia

Declaração de Greve – Médicos Residentes

DECLARAÇÃO DE GREVE

Rio de Janeiro, 27 de outubro de 2017

Nós, médicos e médicas residentes de Medicina de Família e Comunidade (MFC) dos programas da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (PRMFC SMS-Rio), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PRMFC-UERJ), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PRMFC-UFRJ) e da Escola Nacional de Saúde Pública (PRMFC-ENSP), e residentes de Administração em Saúde da UERJ, reunidos em Assembleia Geral em 27 de outubro de 2017, com o quórum de 113 médicos residentes, redigimos este documento para oficializar nossas deliberações junto à Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM), à Comissão Estadual de Residência Médica do Rio de Janeiro (CEREMERJ), às Comissões de Residência Médica (COREME), ao Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (CREMERJ), à Secretaria de Saúde do Município do Rio de Janeiro (SMS-Rio) e a quem mais possa interessar.
Considerando o atual contingenciamento do orçamento da Saúde no município do Rio de Janeiro, que afeta diretamente a Atenção Primária à Saúde;
Considerando as demissões realizadas nos últimos meses de trabalhadores de diversas categorias profissionais atuantes na Atenção Primária à Saúde;
Considerando a proposta orçamentária para 2018 para este município, com redução significativa da verba destinada aos serviços de saúde;
Considerando que, como médicos em formação, necessitamos da manutenção de um cenário de aprendizado de qualidade;
Considerando que, como residentes, compomos também a categoria médica da Atenção Primária deste município e que esta iniciou greve em 26 de outubro de 2017;
​Votamos e aprovamos, nesta Assembleia Geral, com representantes de todos os programas de residência supracitados, Greve dos Médicos Residentes de Medicina de Família e Comunidade do Município do Rio de Janeiro. Decidimos por greve presencial, com cumprimento da carga horária do programa de residência, organizada da seguinte forma: manutenção de trinta por cento (30%) dos residentes previamente escalados por turno nas suas respectivas unidades da Atenção Primária em turnos de atendimento; setenta por cento (70%) dos residentes previamente escalados por turno das unidades em atividades de mobilização na unidade e território; manutenção da carga horária teórica e de estágios, excetuando-se turnos em que estes coincidam com atividades programadas na agenda da Greve, tais como atos públicos e assembleias convocadas; manutenção da carga horária de plantões.
​Nossas reivindicações são direcionadas à gestão municipal, com a seguinte pauta:
1. Contra o corte previsto no orçamento da Saúde do município para o ano de 2018, a ser apresentado na Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro, e pelo acréscimo dos 250 milhões de reais, corrigidos pela inflação, propostos na campanha da atual gestão para o orçamento da saúde;
2. Pela manutenção e fortalecimento da cobertura da Atenção Primária à Saúde do Rio de Janeiro, de forma a garantir o acesso adequado da população à Saúde;
3. Pela readmissão imediata dos profissionais demitidos até o momento e por nenhuma demissão a mais;
4. Contra o desabastecimento de medicações e insumos básicos na rede de Atenção Primária à Saúde do Rio de Janeiro;
5. Pela regularização dos pagamentos de todas as categorias profissionais da Atenção Primária à Saúde do Rio de Janeiro;
6. Pela manutenção das vagas destes programas de residência em Medicina de Família e Comunidade, como incentivo à formação desses especialistas e à expansão da Atenção Primária à Saúde;
7. Contra a restrição da atuação dos enfermeiros no cenário da Atenção Primária à Saúde;
8. Apoio total ao movimento “Nenhum Serviço de Saúde a Menos” e à greve das médicas e médicos da Atenção Primária do Rio de Janeiro.
Entendendo que as coordenações de residência médica dos nossos programas tem papel histórico e fundamental na luta pela Atenção Primária à Saúde, propomos a manutenção e formalização do profícuo diálogo entre corpo de residentes e coordenações. Ressaltamos, assim, que nossa pauta de lutas interessa também a estas coordenações, que trabalham incessantemente para nos fornecer uma formação de qualidade.
Sendo assim, colocamos mais uma vez que nosso movimento se dá no sentido de fortalecimento e valorização do Sistema Único de Saúde, sobretudo da Atenção Primária, base de qualquer sistema de saúde de qualidade no mundo.


Comentários

Deixe um Comentário


Mídias

Mídias Mídias

Contato

Avenida Churchill, 97
8º ao 12º andar  – Castelo – RJ

Tels: 21 2532-3413

comunicacao@sinmedrj.org.br